Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 550

Queixas por violência doméstica atingem recorde no terceiro trimestre Voltar

O número de queixas por violência doméstica tem vindo a aumentar, atingindo 8.887 no terceiro trimestre, o número mais elevado desde 2018, quando se registaram 7.423 participações, revelou hoje, 26 de outubro, a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género.

Os dados estatísticos assinalam 23.250 queixas desde o início do ano, assim como a morte de 21 mulheres em contexto de violência doméstica, contra 23 em 2021, 32 em 2020 e 35 em 2019.

Segundo dados do terceiro trimestre deste ano, foram detidas 1.209 pessoas por este crime, das quais 251 ficaram em prisão preventiva e 958 em prisão efetiva. No quarto trimestre de 2018, foram detidos 820 agressores.

Os números têm por base uma compilação de dados fornecidos pela GNR e pela PSP, mas também outros serviços.

No que diz respeito às suspensões provisórias de processos executadas com acompanhamento pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, os indicadores apontam para 1.875 no terceiro trimestre deste ano, contra 1.704 no quarto trimestre de 2018.

A medida de coação mais comum é a vigilância eletrónica, que abrangeu 798 implicados neste crime, num total de 999, indicam os dados apurados no terceiro trimestre de 2022.

O número de pessoas integradas em programas para agressores ascendeu a 3.055 no terceiro trimestre de 2022, das quais 316 em meio prisional e 2.739 na comunidade.

O número de pessoas abrangidas por teleassistência duplicou desde 2018, passando de 2.041 para 4.314, de acordo com dados os apurados no terceiro trimestre de 2022.

A Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica acolheu (dados compilados no terceiro trimestre deste ano) 853 mulheres, 706 crianças e 15 homens.

- 04 nov, 2022