Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 541

Vale Glaciar do Zêzere Voltar

Vale Glaciar do Zêzere, 13kms de extensão, um dos maiores da Europa, maravilhosa dádiva da Natureza e, ao mesmo tempo, uma lição a céu aberto sobre os vestígios da última época de glaciação, há milhares de anos.

Na sua forma de «U», ostenta inigualáveis belezas geológicas, como as austeras rochas graníticas dos Cântaros, Magro, Gordo e Raso (a 1.928 metros de altitude) e reservas biogenéticas de elevado valor natural e paisagístico.

No sopé do Magro (a 1420 metros de altitude), uma jóia do Vale, o Covão D’Ametade, antiga lagoa glaciar de beleza incomparável.

Entre o sinuoso percurso do Vale Glaciar, onde a terra já mais não rende que algum pastoreio e pequenas bolsas de uma débil agricultura de subsistência, o Zêzere corre veloz, escapando-se, audaz e destemido, apressado em chegar a paragens mais tranquilas.

O Vale Glaciar do Zêzere, profunda garganta de direcção NNE-SSW, instalado numa importante falha, é um dos melhores exemplos de como os glaciares modelaram a paisagem: a forma em «U» deve-se à maciça presença de gelo no cimo da montanha, criando como que uma cúpula de onde vertiam “línguas” para os vales periféricos.

Sendo um Vale Glaciar, e por isso muito aberto, as encostas são muito íngremes, cobertas de bolas graníticas e um caos de blocos rochosos, principalmente na base de línguas de água.

No fundo do Vale, o Rio Zêzere, pastos verdejantes que rebanhos de ovelhas e cabras pacificamente repartem harmonizam a paisagem. São visíveis ainda algumas construções típicas da serra (características casas de pedra com telhados em colmo de palha de centeio ou giesta), por ali chamadas de «cortes», assim como as casas da guarda-florestal.

É este Vale, este maravilhoso Vale Glaciar do Zêzere, integrado no Parque Natural da Serra da Estrela e Rede Natura 2000, que vale a pena proteger e apreciar.

- 24 set, 2022