Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 541

Plataforma da A23 e A25 exige suspensão das portagens Voltar

“Atentos ao agravamento da situação decorrente dos incêndios e ao aumento dos custos de contexto, a Plataforma P'la Reposição das SCUTs no Interior vem solicitar que, no âmbito da declaração do estado de calamidade, o governo adote de imediato a medida de suspensão do pagamento das portagens nestas vias, medida que mereceu o compromisso e atenção da secretária de Estado do Turismo, e que, no Orçamento de Estado para 2023, aprove e implemente a eliminação completa do pagamento de portagens na A23, A24 e A25”, refere a organização em comunicado.

Na mesma nota de imprensa, a Plataforma salientou que, recentemente, a região, em particular a serra da Estrela, foi “forte e dramaticamente fustigada por incêndios que causaram danos ambientais, económicos e sociais, cuja dimensão e gravidade justificou a declaração do estado de calamidade por parte do Governo”.

A Plataforma sublinhou também que o património natural e ambiental “foi amputado e a atividade económica sofreu danos que vão muito além dos impactos imediatos, uma vez que se irão repercutir por muito tempo na vida dos produtores agrícolas e florestais, na pastorícia e na produção de queijo, na atividade artesanal e turística”.

A Plataforma P'la Reposição das SCUT sublinhou que, desde a pandemia de Covid-19, vem “exigindo” a suspensão do pagamento de portagens no Interior (A23, A24 e A25) e “reafirmou” essa exigência, desde o início deste ano, devido ao “aumento desmesurado” do preço dos combustíveis, da energia, do gás e dos bens de primeira necessidade.

“Este contexto associado ao custo das portagens e de outras taxas e impostos, torna incomportáveis as deslocações do Interior para o Litoral e vice-versa, debilitando, ainda mais, a economia do Interior, agravando os indicadores demográficos de envelhecimento da população, de despovoamento com a emigração dos mais jovens, em especial os mais qualificados, e da diminuição da capacidade competitiva do Interior numa economia globalizada”, destaca no comunicado

A Plataforma lançou também, na quinta-feira, dia 1, um manifesto sob o lema «Juntos Reclamamos a Reposição das SCUTs no Interior (A23, A24 e A25)», que vai circular junto da população em geral, autarquias, instituições e outras entidades para recolha de assinaturas.

A Plataforma P'la Reposição das SCUT nas autoestradas A23 e A25 integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda - a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.

- 14 set, 2022