Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 541

Quais os melhores municípios portugueses? Voltar

Estamos na época dos rankings ou tabelas ordenadas em bom português: de país, regiões, empresas, universidades, escolas secundárias, aprendizagens (Pisa), de regiões, de empresas, de cidades ou municípios. É neste âmbito das cidades ou municípios que se enquadra um ranking relativo a 2021 que avalia o desempenho socioeconómico dos 308 municípios portugueses quanto à captação de novos investidores, turistas e novos residentes. Lisboa, Porto, Sintra, Coimbra, Braga e Cascais são os municípios mais procurados (a primeira divisão). Os municípios do interior ficam maioritariamente mal classificados, não vão além da 2ª divisão, continuando a usar linguagem futebolística. Confirma-se mais uma vez, o país a duas velocidades: a europeia, mais rápida, nas cidades do litoral, e a terceiro-mundista, menos rápida, no interior esquecido, subaproveitado e ainda desertificado seja de pessoas seja de empresas e empregos.

No passado mês de junho foi publicado mais um ranking das cidades e vilas ou concelhos portugueses, desta vez elaborado por uma consultora, Bloom Consulting. Esta empresa iniciou este tipo de rankings ou ordenações já no ano 2014, anualmente, com exceção do ano de 2020 em que não o publicou por causa da pandemia. O número agora publicado é o relativo a 2021.

Este indicador avalia o desempenho socioeconómico dos 308 municípios quanto à captação de novos investidores, turistas e novos residentes, segundo variáveis como dados estatísticos oficiais, procuras e pesquisas 'online' pelos concelhos e o desempenho destes nos seus 'sites' e redes sociais. Estes dados quantitativos são convertidos em três 'rankings'/ordenações - hierarquizando os municípios nas dimensões "viver", "visitar" (turismo) e "negócios" (atração de investimento) -, a partir dos quais se elabora o 'ranking' geral.

De acordo com a metodologia definida, “existem 5 objetivos ou dimensões essenciais: 1. Atração de Investimento, 2. Atração de Turistas, 3. Atração de Talento, 4. Aumento da Proeminência e 5. Aumento das Exportações. Cada uma destas 5 dimensões tem em conta diferentes públicos-alvo, com sensibilidades diferentes. Isto significa que cada público-alvo, principalmente investidores e turistas, têm em consideração fatores antagónicos aquando da escolha ou afinidade com cada país, região ou mesmo cidade ou vila. Isto significa que apesar de se tratar do mesmo território e da mesma identidade, cada país, região ou cidade deve comunicar de forma diferenciada consoante a dimensão ou dimensões afetas aos públicos-alvo desejados” (BC).

Sem surpresa e tal como em anos anteriores, Lisboa, Porto, Cascais, Braga e Coimbra, Gaia, Sintra, Funchal, Setúbal e Aveiro mantêm-se à frente. Também na lista que inclui os melhores municípios para realizar negócios, a Lisboa e ao Porto seguem-se Cascais, Braga e Coimbra. No top 25 temos numerados por ordem decrescente de importância, Lisboa, Porto, Cascais, Braga, Coimbra, Vila Nova de Gaia, Sintra, Funchal, Setúbal, Aveiro, Faro, Leiria, Portimão, Viseu, Oeiras, Matosinhos, Guimarães, Évora, Viana do Castelo, Almada, Mafra, Albufeira, Maia, Ponta Delgada e Torres Vedras.  Nesta lista dos melhores 25 municípios há 7 do distrito de Lisboa, 7 do Norte, 5 do Centro, 3 do Algarve, um do Alentejo, outro da Madeira e um ainda dos Açores.

No 'ranking' nacional (RN), nem o Algarve nem os Açores têm concelhos no 'top-10'. No âmbito do critério dos melhores municípios para visitar, Albufeira subiu ao 3º lugar, atrás de Lisboa e Porto, seguida por Portimão (4.º) e Sintra (5.º), que entraram no grupo dos 5 municípios com melhores resultados neste indicador turístico, tirando o lugar a Cascais (que este ano é 6.º) e Funchal (8.º).

No top 25 para negócios temos, do 1º ao 25º, por ordem decrescente, Lisboa Porto Cascais Braga Coimbra Leiria Funchal Sintra Aveiro Faro Guimarães Setúbal Vila Nova de Gaia Mafra Matosinhos Oeiras Maia Viseu Torres Vedras Viana do Castelo Évora Barcelos Almada Portimão e Albufeira.

No top 25 para visitar temos do 1º ao 25º, por ordem ainda decrescente, Lisboa Porto Albufeira Portimão Sintra Cascais Vila Nova de Gaia Funchal Setúbal Nazaré Braga Matosinhos Coimbra Évora Viana do Castelo Faro Ponta Delgada Loulé Oeiras Viseu Aveiro Mafra Torres Vedras Póvoa de Varzim e Guimarães.

No top 25 para viver temos do 1º ao 25º, por ordem decrescente de importância, Lisboa Porto Braga Coimbra Cascais Vila Nova de Gaia Aveiro Faro Setúbal Leiria Viseu Sintra Funchal Évora Matosinhos Almada Guimarães Viana do Castelo Maia Barcelos Santarém Ponta Delgada Vila do Conde.

Por regiões, Ponta Delgada assegurou o primeiro lugar em todas as dimensões nos Açores, assim como Évora no Alentejo, Lisboa na região da capital, o Porto no Norte e o Funchal na Madeira. Faro lidera no Algarve na lista geral, sendo também a melhor cidade para negócios e viver, mas foi ultrapassado por Albufeira no que se refere à melhor cidade algarvia para visitar. Coimbra foi considerada a melhor cidade para negócios e para viver na região Centro, mas para visitar foi a Nazaré que ficou em primeiro lugar.

A consultora atribuiu ainda uma distinção, "Marca Estrela", aos municípios que conseguiram resultados de destaque, alcançando posições importantes nas respetivas regiões ou nas dimensões do 'ranking'. Assim, a "Marca Estrela" foi atribuída a Setúbal (dimensão Nacional), Braga (Negócios), Vila Nova de Gaia (Viver) e Albufeira (Visitar). Por regiões, foram contempladas ainda com a "Marca Estrela", Castro Marim (Algarve), São Roque do Pico (Açores), Seixal (Lisboa), Matosinhos (Norte), Santarém (Alentejo), Covilhã (Centro) e Machico (Madeira). Pela primeira vez, foi ainda atribuída a "Marca Estrela" a municípios mais pequenos que se distinguiram nos 'rankings', tendo sido contemplados Vila Real (municípios com menos de 50 mil habitantes), Arouca (menos de 25 mil habitantes) e Idanha-a-Nova (menos de 10 mil habitantes). Porto Moniz, na Madeira, obteve o maior crescimento desde o início deste 'ranking', em 2014. A Madeira (+47%) e os Açores (+45%) foram as regiões portuguesas que mais cresceram nesta edição, embora, pela primeira vez desde o início da pandemia, todas as regiões tenham apresentado "variações positivas no que diz respeito às pesquisas proativas por parte de estudantes, trabalhadores, turistas, investidores e cidadãos de todo o mundo" (BC).

Os temas que tiveram a maior subida dos últimos anos nas procuras foram a natureza, parques, aventura e ar livre. "Jardins" foi o tema que em 2021 registou maior crescimento, com mais de um milhão de pesquisas anuais nos 308 municípios portugueses. Além de "jardins", os tópicos de procura que registaram maiores subidas foram "parques de diversão" (+63%), "mercados tradicionais" (+59%) e "desigualdade e intolerância" (+49%). Houve também descidas nas buscas de temas como "setor automóvel" (-37%), "caça" (-33%) e "alojamento de famílias" (-10%).

Resultados desagregados por alguns municípios da Região Centro e do Interior.

Por regiões temos no Norte e em lugares de destaque pela positiva Porto, Braga, e Vila Nova de Gaia e pela negativa Murça, Vimioso e Freixo de Espada à Cinta. No Alentejo destacam se pela positiva Évora, Santarém, e Beja e pela negativa, Sousel, Alvito e Barrancos. No Algarve pela positiva Faro, Portimão, e Albufeira e pela negativa Monchique, Vila do Bispo e Alcoutim. Na Região de Lisboa pela positiva, Lisboa, Cascais, e Sintra e pela negativa, Vila Franca de Xira, Moita e Alcochete. 

Na Madeira pela positiva Funchal, Porto Santo, Câmara de Lobos e pela negativa Ribeira Brava Santana São Vicente, e nos Açores pela positiva, Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Ribeira Grande e pela negativa Lajes das Flores, Calheta (Açores) e Corvo.

Na R. Centro destaca-se a Covilhã nos rankings geral e regional (42º, 7º, resp.) e no visitar (7º), a Guarda no ranking de negócios (9º), no viver (6º) e no ranking regional (9º), Castelo Branco em negócios e viver (ambos 10º) e no Ranking Regional (11). Seguem-se no ranking geral Fundão 80, Idanha-a-Nova 97, Seia 108, Sertã 149, Vila de Rei 169, Gouveia 174 e Sabugal 175. A partir da 11ª posição do ranking regional temos Trancoso 181, Proença-a-Nova 183, Oleiros 196, Pinhel 208, Manteigas 220, Belmonte 236, Meda 250, Penamacor 251, Aguiar da Beira 259, F.C. Rodrigo 261, Celorico da Beira 270, Almeida 277, Fornos de Algodres 288 e por fim V.V. Ródão 293 (v. quadro abaixo com os valores discriminados).

Em jeito de síntese podemos dizer que Lisboa, Porto, Sintra, Coimbra, Braga e Cascais são os municípios mais procurados, a primeira divisão no ranking geral. Os municípios do interior ficam maioritariamente mal classificados, não indo além da 2ª. Divisão, para continuarmos a usar linguagem futebolística. Confirma-se mais uma vez, o país a duas velocidades: a europeia, mais rápida, nas cidades do litoral, e a terceiro-mundista, mais lenta ou menos rápida, no interior esquecido, subaproveitado, e desertificado seja de pessoas, seja de empresas seja de empregos.

- 16 ago, 2022