Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 541

Conselho de Administração afirma estar “a resolver constrangimentos” na obstetrícia Voltar

A denúncia foi do delegado regional do centro da Ordem dos Médicos que afirma que a sala de partos do Centro Hospitalar da Cova da Beira (CHUCB) está a funcionar com constrangimentos. A falta de médicos para assegurar a rotatividade dos turnos ao fim de semana está na base desta situação, que motivou já a transferência de duas parturientes para outras unidades hospitalares da região.

“Para existir um atendimento sem constrangimentos tem que haver sempre dois médicos, porque numa situação mais complicada são necessários para assegurar que todas as normas se cumpram. Os recursos humanos dos serviços são infelizmente escassos e é impossível dar uma resposta adequada à população”, afirma Carlos Cortes.

A Ordem dos Médicos lamenta ainda que o Ministério da Saúde não esteja a garantir que o serviço funcione de forma adequada. No primeiro fim-de-semana do mês de maio duas grávidas foram transferidas para outros hospitais. Uma delas para a ULS da Guarda e outra para a ULS Castelo Branco.

“Na altura o que foi feito foi o adequado, ou seja, transferiram-se as grávidas para outras unidades hospitalares. O que lamentamos é que não se criem as condições adequadas para garantir uma resposta permanente no CHUCB, contratando mais médicos especialistas nesta área”, afirma.

 

CHUCB reconhece constrangimentos

O Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário da Cova da Beira reconhece alguns constrangimentos na falta de médicos obstetras.  “O Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira (CHUCB) informa que o Serviço de Obstetrícia, na área de Bloco de Partos, tem registado alguns constrangimentos no atendimento aos utentes”, afirma.

“O CHUCB está a trabalhar para regularizar a situação o mais rapidamente possível, tendo no imediato adotado as medidas necessárias para minimizar o impacto nos utentes”, refere o Conselho de Administração em comunicado.

O Centro Hospitalar afirma ainda que “salientamos que os hospitais do Serviço Nacional de Saúde funcionam em rede e sustentados na articulação intra-hospitalar, permitindo assim a complementaridade de recursos”.

“O CHUCB lamenta o transtorno causado e agradece a compreensão dos utentes, assegurando que estão a ser desenvolvidas todas as diligências para garantir o normal funcionamento na prestação de cuidados de saúde à população”, frisa.

A Ordem dos Médicos afirma que vai continuar a tentar junto das entidades competentes, nomeadamente o Ministério da Saúde que o problema seja resolvido o mais breve possível.

- 13 mai, 2022