Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: XI
Nº: 527

Descobrir a Beira Baixa e as suas paisagens de comboio Voltar

Partindo da Covilhã, existem cinco paragens até chegar à cidade da Guarda. Por entre montes e planícies, são várias as sugestões onde se pode usufruir da paisagem caraterística da Serra da Estrela e onde consegue consumir a cultura que a Beira Baixa tem para oferecer.

Até Caria, a viagem tem um custo de 1,75 euros e a duração de, aproximadamente, 10 minutos. Nesta localidade, pode visitar a Casa da Roda ou dar um mergulho nas águas frescas da Piscina da Freguesia, muito reconhecida na região.

A viagem da Covilhã até Belmonte custa 2,10 euros e dura cerca de 15 minutos. A cidade que viu nascer Pedro Álvares Cabral, e onde também pode visitar uma estátua feita em sua homenagem, tem o seu cartão de visita decorado pelo Museu dos Descobrimentos, o Museu do Azeite e o Museu Judaico. Pode ainda subir ao Castelo de Belmonte ou descobrir a Torre Centum Cellas, na freguesia do Colmeal da Torre.

Em Maçainhas, a Capela do Divino Espírito Santo e a Igreja Paroquial têm muita história para contar. O custo da viagem é de 2,80 euros e a duração é de 25 minutos.

30 minutos é o tempo que separa Covilhã de Benespera. O bilhete tem o custo de 3,30 euros até à aldeia onde pode visitar a Igreja Matriz e o Castro do Cabeço das Fráguas.

No Sabugal, pode explorar o património histórico e cultural presente no Museu Municipal de Sabugal. No que toca ao património natural, destacam-se a Serra da Malcata e a Serra das Mesas, onde nasce o Rio Côa. Até aqui, o bilhete de comboio custa 4,10 euros e a viagem tem a duração de, aproximadamente, 40 minutos.

A cidade da Guarda marca o fim desta viagem. O bilhete tem o custo de 4,50 euros e dura cerca de 45 minutos. É na cidade mais alta de Portugal que pode viajar pelo rico património histórico, composto pela Torre de Menagem, o Antigo Paço Episcopal e Seminário, a Igreja da Misericórdia, a Praça Luís de Camões, a Sé Catedral da Guarda, entre outros pontos de referência do coração da cidade, protegido por muralhas, portas e torres medievais que chegaram até aos dias atuais quase intactas.

Esta é uma viagem cómoda e serena, que pode ser feita em família, com amigos ou até mesmo sozinho, com a paisagem do interior como pano de fundo sempre a fazer companhia. A linha da Beira Baixa já não estava aberta desde 2009. Nesta altura do ano, não há nada melhor do que aproveitar para visitar e conhecer as localidades que estão tão perto.

- 23 ago, 2021