Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 550

Eunice, a personificação de várias vitórias… Voltar

O verdadeiro espetáculo do desporto é aquele onde todos os intervenientes sentem e vivem o espírito do fair-play. Este é muito característico de quem assume, conscientemente, que joga sempre com e nunca contra um adversário. 

De forma a garantir a verdade desportiva e a preservação deste espírito, as Leis de Jogo contemplam a existência da figura do árbitro. Infelizmente, são muitas as situações em que os árbitros são vistos como a causa de todos os males, principalmente aos olhos de quem não alcança o êxito. Neste sentido urge mudar mentalidades e reconhecer o seu importante contributo na formação de milhares de jovens em todo o país.

Esta é uma tarefa árdua, principalmente se for levada a cabo por mulheres. Infelizmente, para alguns, o seu lugar ainda é “na cozinha”. Foi assim que, no final de 2021, gritou um homem para a árbitra que dirigia um jogo da primeira divisão distrital de iniciados de uma associação distrital desde país. Como consequência foi-lhe aplicada uma coisa de 750 euros. Talvez tenha percebido que o lugar da mulher é onde ela quiser.

É com este tipo de comentários que a aveirense Eunice Mortágua se tem confrontado ao longo das quase três décadas que já leva a sua carreira. Neste momento ela é um dos elementos que vive de forma mais apaixonada a família da arbitragem. Aliás, personifica os valores que a sustentam: humildade, solidariedade e sentido de justiça. Talvez por isso, e por ser uma das primeiras mulheres a integrar a direção da APAF - Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, podia assumir-se como um dos rostos das várias campanhas que procuram humanizar a figura do árbitro. Tem imagem para isso: é loira, alta e tem olhos azuis. Mas, como o nome indica,  Eunice é muito mais que isso, é sinónimo de quem vence sempre, em todos os campos. O destino demonstrou-o quando, na época passada, socorreu dois jogadores em dois jogos diferentes. Salvou-lhes a vida. Como consequência teve o condão de alcançar outra vitória com a justa projeção mediática que foi atribuída ao episódio. Pelo seu “simples” ato a Eunice acaba, agora, por ser distinguida internacionalmente pelo European Fair Play Movement na categoria “Spirit oficina Fair play” Award”. Graças aos holofotes da comunicação social foi possível demonstrar a todos aqueles que, em algum momento da vida, já verbalizaram um impropério contra os Árbitros que: O RESPEITO VENCE SEMPRE!

O nosso bem-haja à(s) Eunice(s) por tudo o que têm feito à arbitragem e à sociedade portuguesa.

- 22 out, 2022