Diretor: Vitor Aleixo
Ano: XI
Nº: 541

Produção de azeite em quebra devido aos incêndios Voltar

A Associação Distrital de Agricultores da Guarda (ADAG) alertou na passada sexta-feira que os incêndios florestais deste ano vão ter “impactos dramáticos” na produção de azeite, que “vai ser muito afetada” na região. “Segundo os relatos que nos chegam diariamente através dos agricultores, os impactos vão ser dramáticos na produção de azeite deste ano e nos próximos cinco/seis anos, porque houve muita área de olival que foi devastada pelos incêndios”, disse à agência Lusa a presidente da ADAG.

Segundo Sandrina Monteiro, os incêndios também destruíram oliveiras centenárias, “que desapareceram completamente”. “Vamos ter impactos ao nível de produção e outros impactos que são incalculáveis”, disse a responsável, vaticinando que a produção de azeite “vai ser muito afetada” na região.

O concelho da Guarda regista a situação mais preocupante, pois “foi onde ardeu a maior área”. Algumas freguesias “foram quase devastadas na totalidade das suas produções”, como Gonçalo e Famalicão da Serra, e as chamas também atingiram outras, no vale do Mondego, que são “por excelência” produtoras de azeite. Para além do setor do azeite, os incêndios também afetaram a apicultura, a pecuária, alguns pomares e vinhas (sobretudo nos territórios de fronteira entre os concelhos de Guarda e da Covilhã, já no distrito de Castelo Branco). “Já havia grandes problemas a nível de pastagens por causa da seca, no âmbito do desenvolvimento vegetativo, e o incêndio [que atingiu a serra da Estrela e cinco concelhos] veio ainda piorar esta situação. Os produtores pecuários estão a atravessar grandes dificuldades”, disse a presidente da ADAG.

Sandrina Monteiro alertou que “os tempos vão ser muito difíceis e muito complicados”, porque os produtores pecuários “não conseguem alimentar os animais”. Devido à seca, que é transversal a todo o distrito da Guarda, alguns produtores também registam dificuldades na obtenção de água para abeberamento dos animais.

“Se não houver ajudas para repor as áreas que foram afetadas pelos incêndios, ajudas para novas captações de água e ajudas diretas para fazer face a estes primeiros tempos que são mais complicados, vai haver uma grande diminuição de área que vai ser cultivada, porque os produtores não conseguem ter fundos monetários para reconstruir aquilo que foi devastado pelo incêndio”, declarou.

- 15 set, 2022