Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: XI
Nº: 534

Contexto da arbitragem em Portugal Voltar

Infelizmente, falar de árbitros é sinónimo de corrupção e incompetência em Portugal.

Ainda o jogo não começou e é tradicional o público já estar a chamar nomes incorretos à equipa de arbitragem. Parece-me que o único momento que o árbitro não sofre pressões externas é durante a fase de transição de época. Primeiro que tudo o árbitro é uma pessoa, que tem uma vida, família, um conjunto de amigos e sonhos que quer atingir. Como tal, é normal errar (como qualquer humano) mas aquele que errar menos vai ser sempre o mais qualificado (como em tudo na vida, acredito eu!). No entanto, o erro do árbitro, está a trazer cada vez mais consequências para a sua carreira profissional e, pior que tudo, pessoal! Qual é a diferença entre o erro de um jogador/treinador/dirigente e de um árbitro? São todos partes integrantes do mundo desportivo, portanto não me parece correto a ênfase que se tem atribuído aos erros dos árbitros muito por culpa dos meios de comunicação social. Não me aprece adequado vandalizarem bens materiais e ameaçarem as famílias dos árbitros tudo por culpa de um jogo onde a essência do jogo é o aproveitamento do erro para atingir o sucesso (senão o jogo acabava 0-0, 0 faltas, 0 desarmes…)! Será que, devido ao supracitado, não estamos a condicionar o aparecimento de novos árbitros? Porque é que as Associações se queixam que existem menos pessoas disponíveis para a arbitragem? Ao existirem menos árbitros os critérios de seleção Vs qualidade vão ser inferiores…

Mas não queremos mais e melhores árbitros? Será que o relacionamento e forma de estar de um árbitro num jogo não esteja a ser condicionada devido ao receio das consequências que possam existir perante um erro dele? Parecem-me questões pertinentes que devem ser alvo de atenção, porque perante este contexto não me sentia confortável a criar uma carreira na arbitragem como também dificilmente encorajava um filho… Já sou treinador há muito tempo, já perdi jogos e competições não por culpa dos árbitros, mas sim por incompetência das minhas equipas (esta é a mensagem que passo e aquilo que nós enquanto treinadores podemos manipular). Parece-me que é mais importante criar-se uma relação de confiança entre cada elemento e que possa existir um diálogo de forma correta e sem qualquer tipo de interesses.

- 01 jul, 2022