Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: X
Nº: 476

Ladoeiro subiu vencendo em campo, mas Nun'Álvares e Torreense celebram na secretaria? Voltar

Depois dos inúmeros casos em tribunal e em processos internos em que a FPF se tem visto envolvida nos últimos anos em matéria de subidas e descidas, desde que chegou a Covid-19 e as provas foram alteradas e reformadas, surge agora mais um caso que promete tornar-se num verdadeiro imbróglio sem precedentes...

O Ladoeiro sagrou-se campeão nacional da II Divisão e subiu à Liga Placard em campo, onde os adeptos pensariam que se decidiria esta prova e esta subida. Amarense ficou em segundo lugar e conseguiu também esse direito desportivo a subir.

No entanto, saiu hoje a lista oficial de licenciamentos de clubes por parte da FPF, que segundo os novos regulamentos é obrigatório para as equipas poderem participar no primeiro escalão. E nessa lista não contavam nem Ladoeiro nem Amarense.

De imediato Nun'Álvares e Torreense celebraram a subida nas suas redes sociais, tendo aliás o Torreense adiantado que já havia recebido convite da FPF para a prova. Isto significaria que o campeão nacional e o vicecampeão não subiriam para estas equipas ocuparem o seu lugar.

Surgem agora uma série de questões jurídicas e regulamentares que podem tornar-se a nova novela do desporto nacional esta época. Os regulamentos que introduziram esta regra foram introduzidos já depois do seu começo e existem dúvidas da sua aplicabilidade imediata, principalmente num ano em que a Covid-19 dificultou certos procedimentos de certificação. Além disso, recusar duas equipas vencedores de subir para uma burocracia tão recente poderia ser abrir precedentes graves.

Fica então a dúvida se o Ladoeiro celebrará de facto a subida, ou se no ano mais histórico da sua existência vai ficar novamente na II Divisão Nacional. Seria um balde de água fria enorme para uma equipa de heróis que venceu em campo, onde lhes pediram para o fazer.

- 22 jun, 2021
- Fernando Gil Teixeira