Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: X
Nº: 450

Moda Vegana Voltar

Moda é a expressão pessoal, criativa e de estado de espirito transposta em roupa e na escolha da mesma. Dentro dessa noção geral de moda, existem vários tipos de moda, sendo uma delas a Moda Vegana. Moda Vegana nada mais é do que a preocupação pela compra de vestuário que não envolva exploração e morte animal, que não viole os direitos humanos e que seja o mais sustentável possível devido aos problemas ambientais existentes corelacionados com esta indústria.

Inúmeras marcas usam animais para testes, nomeadamente na indústria de cosméticos e os direitos humanos estão sempre em causa, pois é certo e sabido que exploração infantil e mão-de-obra mal paga é recorrente e uma luta existente nos dias correntes. A preocupação ambiental é igualmente importante porque tudo o que é vida importa e a indústria da moda é a segunda mais poluente afetando o equilíbrio do planeta.

Após essas preocupações, vem a procura de soluções. Para essas soluções serem produtivas e “veganas”, é crucial conhecer e saber o que se compra. Materiais como linho; cânhamo; pele; couro; tecidos com penas, entre mais alguns, ou inferem dor/morte animal ou no caso mais especifico do linho é altamente poluente e evitável. A solução óbvia é então optar por peças que não contenham estes materiais ou no caso de não se poder evitar, escolher uma peça com uma percentagem mais reduzida deste material.

Algo que surge no meio desta questão são as famosas lojas vintage, que nada mais são do que pontos de compra e revenda de peças em perfeito bom estado, que já não tinham uso, fazendo-as voltar ao mercado e poupando recursos. Outra solução e algo cada vez mais necessário nos tempos que correm é a caridade, pois ajudamos alguém em necessidade e estendemos o período de vida da peça ao evitar a compra de um novo, que teria de passar por todo um novo processo de fabricação e o consequente gasto.

Para além das lojas vintage existem marcas independentes que se dedicam a desenvolver produto neste segmento. Um exemplo é a Cactus Leather, que consiste no desenvolvimento de um material feito de extrato de cacto que equivale ao couro. É um material que não contém plástico nem químicos na sua composição e demonstra-se bastante promissor pois é biodegradável e foi considerado de alta qualidade podendo vir a ser considerado como possível substituto de materiais previamente usados como o cabedal e o típico couro.

Por fim, quero destacar uma marca portuguesa que se intitula Re-Cofee. Esta é uma start-up original de Vila Nova de Famalicão que produz sapatilhas a partir de borras de café, borracha reciclada e fibras naturais de coco e de ananás. Entrevistado pelo Público, o criador Rui Monteiro explica um pouco do processo de produção dizendo que a receita das sapatilhas é “ o combinar 50% de borra de café e 50% de borracha reciclada, em que a sola possui 30% de borra de café e 70% de borracha reciclada”. Esta “receita” tem o nome de Coffee Leather e segundo ele ““Não foi um processo fácil… mas descobri um mundo de possibilidades”.

E é nessas possibilidades e vontade de ajudar o mundo que consiste esta moda. Vamos pensar duas vezes antes de comprar e no que compramos!

- 24 nov, 2020
- Tiago Matos