Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 445

Comércios da Beira: Colmeia, um toque de açúcar para a alma na Guarda Voltar

Bem perto do centro histórico da Guarda, há uma pastelaria que é quase um pecado descobrir. Um pecado daqueles tão saborosos que todos queremos cair na tentação de o cometer. A Colmeia, pastelaria da cidade mais alta de Portugal, reúne todas as características que tornam uma pastelaria numa boa pastelaria: simpatia, quantidade e qualidade.

E é verdade que é fácil descobrir pastelarias com muita quantidade de bolos e salgados, assim como começa a ser fácil descobrir várias com qualidade. Agora aliar as duas coisas da forma tão harmoniosa como este espaço o faz é que é algo mais raro e que merece destaque. É que a quantidade de possibilidades de escolha é de facto assinalável, tanto o é que no espaço admito que fiquei largos minutos a olhar para as dezenas e dezenas de opções antes de conseguir decidir-me por uma. E como não me decidi por uma, acabei por ceder a escolher duas. E não podia ter tomado melhor decisão. Os salgados são inúmeros, de todos os tipos e caseiros, e notamos isso tanto no aspeto como no sabor. Mas os doces, esses, são esses que mais conquistam. Para além das opções mais recorrentes, o espaço tem uma série de iguarias da casa que apenas ali são produzidas daquela forma e que tornam as opções do espaço únicas e não repetíveis em qualquer outro lugar. Aqui neste capítulo, recomendo as chamadas “Delícias da Beira”. O que são? Descubra por si mesmo que vale a pena. Além disso, a carta variada de bebidas quentes que reconfortam nos dias mais frios desta cidade que o tem em tanta quantidade é também outro dos atrativos para visitar a Colmeia.

Outra grande valência deste espaço são os pratos do dia que serve à dose para fora e que são mais um sucesso, já que na minha visita ao espaço vários foram os clientes que ao fim da tarde entraram apenas com o objetivo de levar comida para jantar em casa. Uma opção muito válida, principalmente em tempos de pandemia em que muitos preferem não perder muito tempo em espaços públicos.

Um espaço digno de visita e que merece que se volte várias vezes para se conseguir provar tudo, a não ser que vá com uma vontade assinalável. Eu estou rendido, e voltarei brevemente!

- 20 out, 2020
- Fernando Gil Teixeira