Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 422

O que se devia seguir nos nacionais de futsal: a opinião dos jogadores da região Voltar

DESPORTO: O Fórum Covilhã falou com jogadores de todas as equipas da região presentes nos campeonatos nacionais de futsal e ficou a saber quais as soluções avançadas pelos mesmos e como está a ser lidar com esta nova e inédita fase nas suas carreiras, antes de se conhecer a decisão final desta quarta-feira

 

 

RAFAEL ALMEIDA, UD CARIENSE

 

“Na minha opinião, a solução mais certa seria continuar mais tarde. Falando do caso específico do Cariense, acho que fizemos um bom campeonato, todos os jogadores se esforçaram e deram tudo o que tinham para conquistar os objetivos do clube, e acho que seria muito injusto para todos nós que esse esforço todo fosse em vão. Estávamos quase a começar a parte da fase de manutenção e todos nós estávamos motivados para tal e acreditaríamos que a íamos conseguir, por isso acho que não é justo o campeonato ser cancelado, mas sim se o pudermos disputar mais tarde será na minha opinião a solução mais acertada e justa.

É estranho estar sem treinar e competir durante muito tempo, foram vários meses a treinar 3 vezes por semana e a jogar sábado e domingo e agora que tudo isto está parado até me falta aquela ansiedade dos jogos! Fora isso tenho continuado a treinar em casa para tentar não perder condição física, porém não é a mesma coisa do que treinar juntamente com os meus colegas de equipa.”

 

 

ESKERDA, ACD LADOEIRO

 

“Vimos nas notícias que isto ainda está muito complicado e não vai ser fácil de gerir esta situação visto que ainda vai durar alguns meses, mas alguns clubes fizeram investimentos altos para chegarem a determinados objetivos… Posto este cenário, era óbvio que gostaria que terminassem os campeonatos, nem que sejam à porta fechadas mas mesmo assim ainda é um risco e, olhando pela saúde de todos (pois tenho filhos e prezo pelos meus), prefiro que o campeonato volte mais tarde e não até que esta pandemia passe.

Não está a ser fácil… Ando a fazer alguns exercícios em casa para manter a forma, mas quando chega aos sábados e vejo que não vou entrar em campo para competir bate o desânimo. Só esperamos que esta pandemia passe o mais rápido possível para voltarmos a fazer o que mais gostamos. Peço a todos os leitores do Jornal Fórum Covilhã: #fiquememcasa.”

 

 

MÁRIO FREITAS, AD FUNDÃO

 

“Na minha opinião neste momento não há hipótese de continuar os campeonatos! Parece-me que a melhor solução será terminar como está, sabendo que com isso, haverá muitas situações que não serão fáceis de resolver como subidas e descidas da divisão. Nada nem ninguém estava preparado para uma situação destas, mas não há desporto nem campeonato mais importante que a saúde e agora só isso importa. Tentar travar esta pandemia para tudo voltar ao normal o mais rápido possível.

Não é fácil ficarmos privados de fazer o que mais gostamos e de um momento para o outro deixarmos de treinar e de jogar, e até perdemos um pouco a nossa liberdade ao ter de ficar em casa, mas tentamos manter uma rotina e arranjar forma de treinar e nos manter ativos. É um esforço crucial que todos temos de fazer para isto passar rapidamente”

  

FRANCISCO FONTES, ADR RETAXO

 

“Na minha opinião claro que era bom conseguirmos acabar as competições até porque é uma situação bastante delicada a nível dos próprios clubes, mas penso que neste momento isso não é o mais importante. Estamos a passar por uma fase pela qual nunca pensámos vir a passar e o que realmente é fundamental é "cuidarmos" da nossa saúde e proteger todos o atletas bem como a comunidade em geral.

O facto de as competições estarem suspensas é quase como se houvesse um vazio dentro de nós. Para além de uma equipa, somos uma família e estarmos longe uns dos outros é mesmo o que me deixa mais triste. Faz falta o convívio dentro do balneário, as histórias do nosso dia a dia, as brincadeiras e sobretudo aquele "bichinho" que todos nós sentimos antes de entrar em campo nos dias de jogo.  Apesar de tudo acredito que isto será apenas uma fase, mas uma fase que de certeza me vai fazer crescer e me vai fazer dar valor às coisas realmente importantes da vida, como um simples abraço ou um aperto de mão!”

 

 

ANDRÉ CARAPITO, GD SAMEIRO

 

“Na minha opinião, o mais justo é darem por terminado os campeonatos e não haver alterações para a época seguinte (subidas e descidas). A regra da 2ª divisão é haver uma disputa de uma fase de subida e uma fase de manutenção, logo se só foi realizada a fase regular é injusto estarem a atribuir subidas e descidas onde a fase mais importante não se realizou.

Neste momento o mais importante é a nossa saúde e a dos que nos rodeiam, e aquilo que eu mais desejo é que esta pandemia passe rápido, para que voltemos à nossa vida normal e a fazer o que mais gostamos, que é jogar futsal.”

 

 

FÁBIO MOTA, ARB BOA ESPERANÇA

 

“Se possível, a melhor solução é sempre acabar a época desportiva. É claro que não é fácil para ninguém estar a jogar noutras alturas, mas penso que com um bocadinho de esforço e com todos a remar para o mesmo lado não era de todo impossível. Caso não haja mesmo essa possibilidade, acho que a melhor solução passaria por não prejudicar as equipas que estavam na iminência de descer e arranjar uma minicompetição para promover as que estavam em iminência de subir. Assim sendo, a Liga Placard ficaria com 16 clubes em vez de 14 e no que diz respeito à segunda divisão penso que poderia ser uma boa altura também para uma reestruturação dos quadros, diminuindo o número de equipas com a criação de uma terceira divisão, penso que iriam ser elevados os níveis de exigência e a competitividade iria aumentar.

 

Sinto imensa falta de entrar nas quatro linhas, não é fácil quando somos impedidos de fazer aquilo que mais gostamos. Continuei a fazer os meus treinos e aproximar-me ao máximo da rotina semanal que levava, mas é claro que tive de me adaptar à realidade, reuni material desportivo e improvisei algumas coisas para poder continuar a treinar da melhor forma possível em casa. “

- 08 abr, 2020
- Fernando Gil Teixeira